Exposição fotográfica de Duarte Belo inaugura a 18 de maio, em Viseu  

Casa das Memórias e Museu Almeida Moreira acolhem registo fotográfico que reflete as paisagens, a história e arquitetura do concelho de Viseu. Este foi um dos projetos vencedores do concurso “VISEU TERCEIRO” em 2015 

“Viseu – Identificação e Reconhecimento. Da vida citadina à vida rural” é o nome da exposição fotográfica que inaugura no próximo dia 18 de maio, Dia Internacional dos Museus, na Casa das Memórias e Museu Almeida Moreira, em Viseu.

A inauguração decorre pelas 18 horas na Casa das Memórias e, em seguida, às 21 horas, no Museu Almeida Moreira.

Da autoria do fotógrafo lisboeta Duarte Belo, a exposição reflete a paisagem, a arquitetura, a identidade e a história do concelho de Viseu através da fotografia. O processo de levantamento fotográfico prolongou-se por 33 dias, tendo o autor visitado 240 localidades e 160 outros locais isolados. O registou culminou na recolha de mais de 55 mil fotografias.

A exposição é constituída por dois núcleos distintos. No Museu Almeida Moreira estará retratado o Centro Histórico de Viseu, nos anos 90, num conjunto de fotografias a preto e branco. Já na Casa das Memórias, as fotografias a cores apropriam-se do espaço, onde são apresentadas perspetivas de dois mundos distintos, o cosmopolita e o rural, num registo mais atual. Neste espaço, os visitantes são convidados a refletir a cidade e as construções humanas, sem esquecer as origens rurais e o interior do concelho de Viseu.

"Viseu - Identificação e Reconhecimento" estará patente até 4 de setembro na Casa das Memórias e até dia 18 de outubro no Museu Almeida Moreira.

O projeto fotográfico de Duarte Belo foi um dos 16 projetos culturais vencedores da primeira edição do concurso de apoio à cultura e criatividade “VISEU TERCEIRO”, em 2015. O projeto obteve um financiamento municipal de 7619 euros com vista à realização de um levantamento fotográfico do concelho de Viseu.

Sobre Duarte Belo

Natural de Lisboa, Duarte Belo licenciou-se em Arquitetura no ano de 1991. Paralelamente ao gosto por esta área, a paixão pela fotografia manifestou-se desde cedo. Desde 1989 que expõe individual e coletivamente o resultado do levantamento fotográfico que desenvolve, alusivo às paisagens, formas de ocupação territorial e arquitetura em Portugal, contando já com um extenso arquivo na bagagem (mais de um milhão de fotografias). 

Destaque para os trabalhos publicados “Portugal – O Sabor da Terra” (1997) e “Portugal Património” (2007-2008). É editor do blog Cidade Infinita (www.cidadeinfinita.blogspot.pt) e desenvolve o projeto Horizonte Portugal (www.horizonteportugal.org) que visa disponibilizar na internet um conjunto significativo de imagens do território nacional.