Saltar para o conteúdo principal

Programas & Projetos Desportivos

Escola Ativa

Durante este período de confinamento. o Município de Viseu, em parceria com os Agrupamentos de Escolas e as Associações de Pais, redesenhou um novo modelo de intervenção por forma a manter vivos os objetivos do projeto ESCOLA ATIVA, designadamente no combate aos comportamentos sedentários, na melhoria dos níveis de literacia física e, consequentemente, no aumento dos níveis diários de atividade física nas comunidades escolares dos Jardins de Infância e 1º ciclo do ensino básico do concelho.

Assim, o Escola Ativa apresentou-se à comunidade com novas estratégias de intervenção, para a fase de aulas não presenciais. Estas tiveram como objetivo apoiar a ação dos educadores, professores e encarregados de educação em manter as crianças fisicamente ativas.

Este novo "desenho” integrou três estratégias distintas, mas complementares:

1 – Dinamização de aulas síncronas, em horário letivo, num total de uma hora por semana, pelos técnicos do projeto Escola Ativa (apenas destinadas ao 1º CEB);

2 – Dinamização de aulas presenciais nas escolas de acolhimento;

3 – Criação e difusão semanal pelas Associações de Pais de eCards com propostas diárias de atividades, para as crianças do JI e 1º CEB, com o objetivo de estimular a realização destes mesmos exercícios, em horário não letivo, entre pais e filhos.

Contudo, e acordo com as medidas de desconfinamento apresentadas pelo Governo no passado dia 11 de março, o projeto ESCOLA ATIVA irá retomar, esta segunda-feira, dia 15 de março, o seu formato presencial, junto das crianças dos Jardins de Infância e escolas do 1º ciclo do concelho. Os ecards continuarão a ser lançados, quer aqui no site, como na página de Facebook do VISEU ATIVO, até ao final do mês de março. 

Os ecards podem ser consultados e descarregados abaixo e no facebook do Viseu Ativo.



O projeto ESCOLA ATIVA

O Escola Ativa surge como uma resposta local, promovida pela comunidade viseense, para o problema sistémico e global da inatividade física nas crianças. Deste modo, pretende sensibilizar todos os seus intervenientes para a prática da atividade física como um comportamento de vida diário, potenciando a criação de experiências positivas e contribuindo para ambientes mais saudáveis na comunidade escolar.

Acreditamos que, nunca como hoje, fez tanto sentido ativar este projeto nas nossas escolas assim como alguns dos princípios que estão na base da sua criação:

- A necessidade de aumentar o tempo de atividade física diária das nossas crianças, cumprindo os 60 minutos diários recomendados pela OMS;
- A promoção do brincar enquanto atividade livre e não orientada;
- A adoção de uma forma de mobilidade mais ativa nos trajetos casa-escola-casa;
- A renovação e reformulação dos recreios escolares para espaços mais naturais, menos sintéticos e normalizados;
- A promoção do contacto com a Natureza e a sua valorização enquanto ferramenta pedagógica e de estimulação da imaginação e criatividade da criança;
- A promoção da literacia para a atividade física junto de todos os agentes da comunidade escolar.

Neste sentido, o projeto ESCOLA ATIVA está organizado em 6 eixos estratégicos.
A estratégia e organização do projeto ESCOLA ATIVA assenta em seis eixos de intervenção junto da comunidade escolar, entendida como os alunos, corpo docente e não docente, associações de pais e respetivos encarregados de educação e órgãos decisores da comunidade (agrupamentos de escolas, juntas de freguesia, entidades de saúde públicas, ensino superior, entre outros).

1. Eixo de Intervenção Psicomotora

Este eixo prevê a realização, ao longo do ano letivo, de uma atividade/aula semanal de 60 minutos orientada por um técnico(a) licenciado(a) em Educação Física e Desporto, que coadjuvará o(a) Educador(a)/Professor(a), que, além da intervenção direta com os alunos (cerca de 45 minutos). Pretende também estimular e dar apoio técnico ao corpo docente no sentido de serem implementadas estratégias que permitam elevar os níveis diários de atividade física, ao longo de todo o dia, indo ao encontro das recomendações da Organização Mundial de Saúde para cada segmento etário.

Para os Jardins de Infância do Setor Público, o ESCOLA ATIVA disponibilizará uma segunda aula semanal em horário não letivo (AAF).

Estas atividades visam potenciar:

- O conhecimento e o controlo do próprio corpo através da exploração de habilidades motoras básicas e fundamentais ao desenvolvimento holístico da criança a partir dos 3 anos, assim como o

- O desenvolvimento de experiências positivas como forma de promoção à adoção de estilos de vida mais ativos e saudáveis, ao longo do dia e para todo o ciclo de vida.


2. Eixo de Criação de Ambientes/Sistemas Ativos

O objetivo deste Eixo passa pela criação de estratégias e metodologias que potenciem o aumento dos níveis de atividade física em horário letivo e não letivo e a diminuição de práticas educativas associadas a comportamentos sedentários, criando na comunidade escolar ambientes mais positivos e mais saudáveis.

Exemplos de estratégias que potenciem um Ambiente Ativo na comunidade escolar:

- Salas de Aula Ativas

"Trata-se de uma Metodologia cujas atividades se caracterizam principalmente pela utilização de movimento inserido nas práticas educativas, vinculadas aos conteúdos e desenvolvidas no horário de aula, de forma a tornar as crianças mais ativas fisicamente e mais instrumentalizadas no processo de aprendizagem desenvolvido na escola. Há ainda a possibilidade de se trabalhar o movimento para quebrar a rotina da aula, dando às crianças um intervalo divertido, para despertar o corpo e revigorá-las.”

- Pausas Ativas

"A valorização do corpo em movimento dentro da sala de aula passa pela introdução de pausas para atividades de escuta (meditação e respiração) e exercícios de mobilização do corpo (jogo de atividade física). Elas não precisam estar sempre sentadas (inativas) durante a aula e mudar mesas e cadeiras pode fazer com que os saberes possam ser trabalhados e assimilados com mais prazer, mais motivação intrínseca e mais participação em grupo." (Carlos Neto)

"Uma revisão bibliográfica realizada demonstra que com apenas cinco minutos de atividade física regular, foram observados resultados positivas no comportamento académico, designadamente na capacidade de atenção, concentração e continuidade na tarefa, e que estes seriam ainda mais eficazes com um mínimo de 10 a 30 minutos de atividade física regular.” (What works in schools and colleges to increase physical activity? – Public Health England)

- Intervalos Ativos

"Crianças ativas no recreio aprendem melhor em sala de aula. Quem apresenta um jogo de atividade física moderada e mais socialização no intervalo têm mais capacidade de atenção e concentração nas aprendizagens escolares consideradas úteis. O recreio deveria ser desafiante, permitindo brincadeiras livres sem supervisão exagerada dos adultos (proibição da margem de risco e de atividades de exploração dos espaços existentes), permitindo que as crianças realizem atividades próprias da idade: jogos de corrida, luta e perseguição, ações de trepar, de equilíbrio e vertigem, jogos com bola, jogos tradicionais e simbólicos e de dramatização, e relação com elementos naturais (água, areia, terra, plantas)." (Carlos Neto)

- Projeto Salta à Corda da DGS

"Saltar à corda é um dos melhores exercícios aeróbicos, dos mais equilibrados segundo os especialistas, por trabalhar intensamente múltiplas partes do corpo. Tem ainda como vantagens, entre outras, o ser barato, de fácil acesso, colocar em ação grandes e importantes grupos musculares, trabalhar a coordenação motora, a resistência aeróbica e anaeróbica, a força de resistência de membros inferiores e exercitar o cérebro.” (Direção Geral da Saúde)

- Projeto Cres(Ser) Ká Fora

Na perspetiva de diferentes investigadores (Bilton, 2010; Fjørtoft, 2004; Dyment & O’Connell, 2013), brincar no exterior assume-se não só como estratégia para promover níveis mais elevados de atividade física mas também poderá contribuir para a promoção da saúde numa perspetiva global, diminuindo os níveis de stress, ansiedade e depressão que assumem cada vez mais evidência entre crianças e adultos. Por outro lado, permite ainda o desenvolvimento de competências relacionadas com conhecimento do corpo e do espaço, resolução de problemas, capacidade para pensar de forma criativa e para trabalhar em equipa.

Ao ar livre, com os amigos, vivendo desafios e aventuras, é possível adquirir e mobilizar competências dificilmente replicadas no interior, abrangendo dimensões cognitivas, sociais, motoras e emocionais pelo que o bem-estar experienciado na Natureza poderá ter influência noutros contextos, promovendo comportamentos de maior resiliência face aos desafios quotidianos.” Projeto Regional para a Promoção da Atividade Física – ARS Centro, IP)

- Promover junto dos Encarregados de Educação estratégias que potenciem uma forma de mobilidade mais ativa no percurso Casa-Escola-Casa

"Os jovens em idade escolar podem beneficiar de uma importante oportunidade para a prática de atividade física através da realização diária dos percursos entre a casa e a escola. Existem já importantes evidências que apontam para associações diretas ou indiretas entre a deslocação ativa de crianças e jovens para a escola e indicadores de desenvolvimento cognitivo, aptidão cardiovascular, cumprimento dos níveis recomendados de atividade física e diminuição da obesidade.” Maria Paula Mota (CIAFEL-FADEUP)

- Criação de projetos e ações que estimulem a prática de atividade física antes e após o tempo letivo.

- Criação de projetos que promovam a cultura do brincar.

- Criação e/ou participação em projetos que visem aumentar os níveis de atividade física em contextos extraletivos e, sempre que possível, promovendo as atividades em Família. Exemplos: Viseu a Nadar, Percursos Ativos, Dia da Criança, Semana da Atividade Física, Escolas Multidesportivas, Dinamização de atividades competitivas inter e intra-escolas (3º e 4º ano), entre outros.


3. Eixo da Melhoria dos Espaços Escolares

Visa a melhoria dos espaços escolares através da aquisição e/ou instalação de equipamentos estimuladores da atividade física, potenciando ainda uma cultura de diminuição do espaço sintético e de betão para um Espaço Naturalizado.


4. Eixo de Boas Práticas

Este eixo visa identificar e referenciar boas práticas de promoção da Atividade Física enquanto comportamento de vida diário na comunidade escolar, de âmbito local, nacional ou internacional, no sentido de estimular a sua replicação.

Boas Práticas, referenciadas em 2019, no âmbito do Escola Ativa:



5. Eixo Plano de (In)Formação

Metodologia:

A partir da edição 2020/2021 os Técnicos afetos ao ESCOLA ATIVA passam a ter uma componente não letiva para criação e operacionalização de estratégias e ações que contribuam para a melhoria dos níveis de atividade física diária dos alunos, monitorização dos objetivos do projeto e caracterização da Comunidade Escolar;

Este trabalho deve ser executado em articulação com o Agrupamento, Educadores, Assistentes Operacionais, Associação de Pais, Junta de Freguesia.

A produção de suportes de comunicação associados a campanhas de informação e sensibilização para reforçar os valores e princípios do ESCOLA ATIVA:

Objetivos:

Valorizar a experiência dos Recursos Humanos envolvidos no projeto e adequar um plano de formação específico, fomentando a capacitação, a formação contínua e a criação de momentos de reflexão e partilha no âmbito do Escola Ativa. Dirigido ao corpo docente e não docente, aos profissionais integrados no Eixo de Intervenção Psicomotora, às Associações de Pais e Encarregados de Educação e à Direção dos Agrupamentos.

Pretende ainda contribuir para o aumento dos níveis de literacia para a Atividade Física, potenciação desta forma a melhoria das decisões diárias ao nível da adoção de comportamentos de vida mais ativos e saudáveis;


6. Eixo de Avaliação e Monitorização

- Implementar um eixo de avaliação e monitorização, permitindo desta forma o controlo e adequação do projeto de intervenção;
- Avaliar os níveis de Atividade física diária dos alunos de acordo com as recomendações da Organização Mundial de Saúde;
- Avaliar alterações comportamentais (mobilidade, tempo de ecrã);
- Avaliação de indicadores de saúde (obesidade);
- Avaliação na participação de Atividades Desportivas extra componente escolar;
Nesta 1ª Fase iniciaram as atividades para 171 turmas e mais de 3100 alunos do JI e 1º CEB dos Agrupamentos de Escolas Infante D. Henrique, Viso e Mundão, assim como de algumas instituições privadas, estando já calendarizado o início do projeto no Agrupamento de Escolas Grão Vasco para janeiro de 2021.

Um retomar de atividades que cumpre todas as medidas de higiene e segurança necessárias nesta altura de pandemia e que volta a contar com o envolvimento dos Agrupamentos de Escola, Associações de Pais, Juntas de Freguesia, ACeS Dão Lafões e Escola Superior de Educação de Viseu.

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi