2ª FASE DO PLANO DE AÇÃO – 2020/2021

Em 2020, tem início a 2ª fase do VISEU PATRIMÓNIO, com a Coordenação Científica da professora e investigadora Catarina Tente – especialmente conhecida em Viseu pelos trabalhos de investigação sobre a Cava de Viriato e o período da pré-nacionalidade portuguesa –, em estreita articulação com o Vereador da Cultura e Património, Jorge Sobrado. A cooperação técnica e científica é também estabelecida com o Instituto de Estudos Medievais da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Nesta fase, é reorientada a estratégica para o património histórico, em especial para o arqueológico, em linha com outras iniciativas estruturantes já realizadas como a criação e regulamentação do Polo Arqueológico de Viseu, do lançamento do Museu de História da Cidade e dos Roteiros Arqueológicos José Coelho, assim como do lançamento do Serviço de Mediação Cultural do Património Arqueológico e da linha editorial VISEU PATRIMÓNIO.

Para 2020/2021 foram definidas 8 ações principais:

1. Carta Patrimonial de Viseu

2. Conhecer e divulgar a Cava de Viriato

3. Valorização da história e do património dos projetos emblemáticos do VISEU PATRIMÓNIO

4. Salvaguarda e valorização do Jardim do Fontelo

5. Programa de atração de investigadores para o estudo de Viseu

6. Preparação do/s dossier/s para candidaturas a Património da UNESCO
7. Dicionário da História e das Personagens de Viseu

8. Divulgação científica – Ciclo de encontros e publicações

» Plano de Ação, 2ª fase 

 

1ª FASE DO PLANO DE AÇÃO – início em fevereiro de 2016 até 2019

Instituição do Polo Arqueológico de Viseu, em abril de 2019

Instalado na Casa do Miradouro, um edifício histórico da cidade, o Polo Arqueológico de Viseu agrega a atual Coleção Arqueológica José Coelho, a reserva arqueológica, o gabinete de apoio à investigação e acolhimento de investigadores, o centro de documentação e biblioteca especializada e o serviço de mediação e educação patrimonial.

Este Polo assegura também outras valências relevantes tais como o aconselhamento e acompanhamento especializado de intervenções arqueológicas, nomeadamente de iniciativa municipal, e um plano de valorização museológica, integrado no projeto do Museu de História da Cidade.

No âmbito da missão deste serviço prevê-se a dinamização de uma agenda municipal de investigação, enquadrada no programa municipal VISEU PATRIMÓNIO, e a atualização do inventário de património arqueológico de Viseu, associado à Carta Patrimonial concelhia.

» Regulamento do Polo Arqueológico de Viseu 

Investigação do património edificado no Centro Histórico e reabilitação sustentável

 
Apresentada a 16 de fevereiro de 2016, a 1ª fase do plano de ação VISEU PATRIMÓNIO teve como responsável pela sua Coordenação Científica Raimundo Mendes da Silva, professor da Universidade de Coimbra e especialista em reabilitação de edifícios e salvaguarda de património, ao abrigo de um contrato com o Instituto Pedro Nunes. Nesta etapa, a agenda de trabalhos e ações foi especialmente focada na investigação e caracterização do património edificado do Centro Histórico de Viseu e no desenvolvimento e assessoria técnica e científica em projetos para a sua reabilitação sustentável.

» Plano de Ação, 1ª fase 

» Aceda à documentação técnica, inclusive em formato multimédia, fruto desta 1ª fase, em www.viseupatrimonio.pt.

 

FASE 0 – Abril 2015

Principais mensagens e conclusões do grupo de trabalho

Em abril de 2015, foi criado um “grupo de reflexão”, pelo Presidente da Câmara Municipal de Viseu, António Almeida Henriques, para avaliar as condições de Viseu numa candidatura a “Património da Humanidade” da UNESCO e recomendar uma estratégia de valorização patrimonial da cidade.

 Das diversas discussões e encontros, resultou um documento com as principais conclusões e recomendações deste grupo, que assim deram origem à criação do programa municipal VISEU PATRIMÓNIO. Este tem por objetivo o desenvolvimento de Viseu enquanto cidade cultural e patrimonial, através de medidas de investigação, salvaguarda e valorização da sua história de 2500 anos e do seu património material e imaterial, e a reabilitação sustentável do seu Centro Histórico.

» Principais mensagens e conclusões do grupo de trabalho