PARTILHAMOS… OUTUBRO

Setor Adulto

José Luís Peixoto – as emoções à flor da pele

José Luís Peixoto nasceu em Galveias em 1974. Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, foi professor do ensino secundário em Portugal e Cabo verde, até de dedicar exclusivamente à escrita. Em 2001, com 27 anos, recebeu o Prémio Literário José saramago com o romance Nenhum Olhar, tornando-se o mais jovem vencedor deste galardão. 

A sua obra tem sido amplamente reconhecida a nível nacional e além-fronteiras, galardoada com diversos prémios: Prémio Cálamo Outra Mirada com o romance Cemitério de Pianos (Espanha, 2007); Prémio de Poesia Daniel Faria com Gaveta dePpapéis (Portugal, 2008); Prémio Libro d’Europa com Livro (Itália, 2012); Prémio da Sociedade Portuguesa de Autores com a obra de poesia A Criança em Ruínas (2013); Prémio Oceanos com Galveias (Brasil, 2016).

 

Em 2012 fez a sua estreia na litareatura de viagens com Dentro do Segredo: uma viagem na Coreia do Norte. 

Em 2019 publicou Autobiografia, obra de fição em que mergulha no universo de José Saramago e utiliza o escritor como coprotagonista. 

Com Regresso a Casa, o seu mais recente livro editado em agosto de 2020, José Luis Peixoto está de volta à poesia. Ao abordar tmas como a família, a identidade, o mundo, as viagens, mergulha na intimidade, propondo aos leitores uma reflexão. 

“O poema é como uma casa, tem paredes e janelas, é habitado pelo presente.” 

                                                                                     José Luís Peixoto

 

 

Setor infantil e juvenil 

A arte na aprendizagem

 

A expressão artística está ligada à manifestação das emoções. A criança, muito antes de saber ler e escrever, reage positivamente aos estímulos artísticos e as atividades artísticas fornecem excelentes oportunidades para o seu desenvolvimento psicológico e motor. 

Através da leitura aliada à expressão musical, dramática e plástica, podemos trabalhar as obras de grandes mestres como Pablo Picasso, Wolfgang Amadeus Mozart, Ludwig Van Beethoven e Vincent Van Gogh, proporcionando às crianças meios para aguçar a perceção visual e auditiva e compreender a arte como um produto cultural histórico. 

O setor infantojuvenil da Biblioteca deixa este desafio a pais e educadores: estimular a leitura através da criatividade artística.

 

                                                                               

Setor Multimédia: cinema

Robert Scott Hicks

 

 

 

Robert Scott Hicks, realizador de cinema nascido no Uganda em 1953. Depois de ter vivido em Inglaterra, aos 14 anos mudou-se com a família para a Austrália, onde se formou.

 

Shine, o filme australiano que dirigiu em 1996, recebeu sete nomeações para os Óscares da Academia de Hollywood e venceu na categoria de Melhor Ator.



 

 

 

Setor Multimédia: Musica

Michael Bublé

 

 

Michael Steven Bublé, cantor, compositor, ator e produtor musical canadiano, nascido em 1975 em Burnaby, Canadá. Apaixonado pelo jazz desde que ouviu Bing Crosby interpretar músicas de Natal em White Christmas, desde cedo ouvia cantores como Frank Sinatra, em quem se inspirou.

Depois de performances em Vancouver, participação em programas de televisão e em musicais, a sua carreira obteve dimensão e foi premiada com vários prémios, como quatro Grammy e dez Juno Awards.

 

 

 

 

 

Setor Multimédia: personagem cinéfila de….Roald Dahl

Histórias em verso para meninos perversos

 

 

Roald Dahl, nascido em 1916 e falecido em 1990, foi um escritor britânico, filho de noruegueses. Atingiu notoriedade na década de 1940 pelas suas obras para adultos e crianças e tornou-se um dos escritores mais aclamados do mundo, traduzido em várias línguas. É conhecido principalmente pelos seus livros infantis e várias das suas obras foram adaptadas ao cinema.

A mensagem mais comum nas histórias de Dahl é: Miúdos, o mundo é cruel mas vocês vão ter de aprender a sobreviver e a divertir-se apesar de tudo.

 

 

 

 

Seis histórias que toda a gente conhece, recriadas pelo irreverente e corrosivo humor de Roald Dahl e magnificamente ilustradas por Quentin Blake, numa ótima tradução de Luísa Ducla Soares.
«Pensam vocês que sabem esta história?
Mas a que têm na vossa memória
É só uma versão falsificada,
Rosada, tonta e açucarada
Feita para as crianças inocentes
Não terem medo, Ficarem contentes.»