Museus Municipais de Viseu exploram a gastronomia com propostas para todos os públicos

18 novas exposições, tecnologia no Museu de História da Cidade e roteiros temáticos são outras grandes apostas em 2019 

No ano em que Viseu é “Destino Nacional de Gastronomia”, os Museus Municipais elegem como uma das suas principais apostas a valorização cultural, criativa e educativa da gastronomia e dos seus universos patrimoniais, simbólicos ou sociais.

Os sete espaços museológicos do Município ― a Quinta da Cruz, o Museu do Quartzo, o Museu Almeida Moreira, o Museu de História da Cidade, a Coleção Arqueológica José Coelho, a Casa da Ribeira, o Museu do Linho de Várzea de Calde ― respondem assim ao repto viseense de 2019, com uma programação diversificada e para todos os públicos, através de exposições, atividades educativas, workshops e conferências.

A Quinta da Cruz promove projetos artísticos inéditos voltados para a terra, a ecologia e a gastronomia e outros educativos, em talhões da horta comunitária local.

Na Coleção Arqueológica José Coelho será realizada uma exposição subordinada ao tema da gastronomia e da arqueologia e lançado o roteiro das lagaretas romanas de Vissaium.

Por sua vez, a Casa da Ribeira apresenta a exposição inédita “As loiças antigas e tradicionais”. Com inauguração prevista para outubro, esta exposição vai destacar os materiais utilizados na cozinha nos finais do séc. XIX, inícios do séc. XX.

O Museu do Quartzo propõe-se explorar a relação dos minerais com a cozinha, a gastronomia e os vinhos, em múltiplas atividades – do Museu ao Monte de Santa Luzia. E para passar da ciência à prática, o “pai” Galopim de Carvalho protagonizará oficinas de culinária alentejana.

Já no Museu do Linho a gastronomia combina com vinhos. “Rótulos de Vinho” é a exposição de pintura que inaugura em setembro, da autoria de Vanessa Perdigão.

Ao longo do ano, os Museus Municipais organizam um ciclo de conversas e conferências subordinadas ao tema “A Gastronomia & o Resto”, explorando as afinidades entre a mesa beiraltina e temas como a arte, a religião, a política, a ciência e a saúde.

Mas nem só de gastronomia se fazem os Museus Municipais de Viseu em 2019.

 

Arte e natureza, tecnologia e viagens são outros temas em destaque.

18 novas exposições renovarão os pretextos de uma visita a estes centros de cultura viseenses, nascerá o primeiro roteiro de “realidade aumentada” e inicia-se a instituição do Pólo Arqueológico de Viseu.

Em 2019, o digital e a realidade aumentada farão o próximo polo do projeto do Museu de História da Cidade de Viseu. No primeiro semestre é aberto o “Museu Virtual”, ao qual estará associada uma app para uma visita histórica em modo de realidade aumentada. A sua apresentação está prevista para 18 de Maio, data que assinala um ano sobre a abertura do 1º polo do museu.

O Museu Almeida Moreira promoverá, no primeiro semestre, um preview do futuro Museu Keil Amaral, com a exposição “Alfredo Keil: Um Primeiro Olhar”, que apresentará ao público algumas das obras mais emblemáticas do artista. No verão, apresenta-se uma exposição inédita de “Guias e Livros de Viagens” de autores estrangeiros com referências a Viseu, desde a Monarquia Constitucional até ao Estado Novo.

No Museu do Quartzo, a grande exposição do ano chega em julho: “Diamantes com Estórias”. Uma mostra que vai contar com réplicas de alguns dos mais famosos diamantes do mundo, assim como histórias e lendas sobre as pedras preciosas. Do espólio, farão parte algumas das joias da coroa britânica.

Já na Quinta da Cruz, a exposição de destaque do ano é “O Horizonte”, de Cristina Rodrigues, que inaugurou em janeiro e se prolongará até junho. No segundo semestre, a casa principal é ocupada por criações artísticas inéditas, multidisciplinares, baseadas nas temáticas da ecologia, da terra e da gastronomia.

“Do Arquivo: Arqueologia na Rua das Ameia” é a exposição temporária que a Coleção Arqueológica José Coelho recebe a partir de março, ancorada nos vestígios e achados reunidos por João Inês Vaz entre 1989 e 1991, no Centro Histórico de Viseu. Um encontro inédito e em primeira mão com os registos da escavação e com alguns dos materiais arqueológicos encontrados no local.

Também na Casa do Miradouro inicia-se este ano a formalização e instituição do Polo Arqueológico Municipal e da sua Reserva.

Ao longo do ano, os Museus Municipais de Viseu organizam, ainda, um conjunto de dinâmicas e eventos relevantes, parte das quais contam com várias edições. São os casos do festival EDUCARTE (promovido pela APECV, na Quinta da Cruz) e da “Feira dos Minerais, Gemas e Fósseis” (do Museu do Quartzo), da “Mostra de Doçaria da Páscoa”, na Casa da Ribeira, ou da bem-sucedida “Noite do Pijama” do Museu do Quartzo.

 

Roteiros temáticos. Os Museus e as suas envolventes

Em 2019, os sete espaços museológicos também proporcionarão roteiros guiados aos visitantes.

A Coleção Arqueológica retoma os bem-sucedidos roteiros arqueológicos que estrearam em 2018: o “Roteiro Megalítico” e “A Civitas de Viseu”. Com estreia em 2019, nascem os roteiros “Lagaretas de Vissaium” e “Arqueologia e Salvaguarda da Cidade”.

“O Monte de Santa Luzia na Idade do Bronze” é a proposta de roteiro do Museu do Quartzo, numa colaboração com a Coleção Arqueológica. A experiência contará com oficinas e um workshop de culinária.

Já com ponto de partida no Museu de História da Cidade, o visitante vai poder percorrer o roteiro “Viseu Renascentista” e, também no centro, com início no Museu Almeida Moreira, os roteiros “Viseu no Tempo de Almeida Moreira” e “Viseu Azulejar”.

Um percurso pelo Parque Linear do Pavia e pelas espécies arbóreas e ervas comestíveis são as propostas da Casa da Ribeira e da Quinta da Cruz, cujos roteiros estarão disponíveis no início da primavera, nas respetivas envolventes.

Todas as novidades sobre os Museus Municipais de Viseu podem ser conhecidas em www.visitviseu.pt e no Facebook e Instagram “Museus de Viseu”.