Biblioteca Municipal tem nova sala de leitura e estudo

Novo espaço alarga horário de utilização até à meia-noite. Município investiu 300 mil euros na obra

Viseu já tem uma sala de leitura e estudo a funcionar até à meia-noite. O espaço foi inaugurado pelo Presidente da Câmara Municipal, Almeida Henriques, e restante Executivo, esta quinta-feira, 10 de janeiro, na Biblioteca Municipal D. Miguel da Silva, e representa um investimento 100% municipal na ordem dos 300 mil euros.

A intervenção, que dá resposta à carência existente neste tipo de serviço, sentida sobretudo pela população estudantil, permitiu ampliar a capacidade de utilização do público, com o consequente aumento dos postos de leitura da biblioteca dos adultos.

“Embora esteja aberto para toda a comunidade, o espaço foi pensado para a nossa comunidade escolar, desde o ensino básico ao ensino superior”, destacou o Presidente da Câmara, Almeida Henriques, na sessão de inauguração. A par disso, observou o autarca, “a localização da Biblioteca permite uma grande proximidade a várias instituições”, como a Universidade Católica e a Escola Superior de Saúde, e o próprio centro da cidade, além de estar integrada no circuito que será percorrido pelos miniautocarros que entrarão em breve em circulação no âmbito do MUV - Mobilidade Urbana de Viseu.

O local utilizado para implementar esta ampliação foi o terraço semicoberto da Biblioteca, localizado sobre a biblioteca infantil.

Genericamente, foi construída uma nova sala de leitura, em toda a extensão do terraço, com cerca de 240 m2 de área útil, que disponibiliza entre 74 e 80 lugares sentados.

De segunda a sábado, os serviços da Biblioteca funcionam das 08h30 às 19h00, prolongando-se o serviço da Sala de Leitura e Estudo das 19h00 até às 24h00.

Nos meses de agosto e setembro, o horário da Sala de Leitura prolonga-se de segunda a sexta-feira até às 20h30.

Almeida Henriques fez notar, todavia, que “poderão ser feitos ajustamentos nestas opções”, em consequência da utilização que se venha a registar. Até porque “a entrada autónoma permitirá que a sala funcione fora dos horários habituais da Biblioteca”.

Uma segunda vertente desta intervenção visou a correção das patologias ao nível das paredes exteriores.