Município contesta decisão de encerramento da agência de Abraveses da Caixa Geral de Depósitos

 

Esta quinta-feira, 07 de junho, o Presidente da Câmara de Viseu enviou uma carta ao Presidente da Comissão Executiva do Conselho de Administração da CGD, Paulo Macedo, depois de ter sido informado do encerramento previsto de vários balcões, em que se incluía a agência de Abraveses. 

O autarca de Viseu, alertando para as consequências negativas da decisão, contesta  a opção que mais uma vez penaliza as regiões do interior e a coesão do território. 

Almeida Henriques acredita que a decisão de encerramento desta agência é reveladora de desinteresse pelo desenvolvimento económico e prestação de serviços de qualidade às populações, que deveria ser princípio basilar de um banco de capitais públicos. 

O Presidente da Câmara Municipal lembra que “a agência de Abraveses serve, não só os cerca de 10 mil habitantes da freguesia, como permite, na proximidade, servir uma população global de mais de 21 mil habitantes das freguesias vizinhas e do norte do Concelho de Viseu, como sejam Bodiosa, Calde, Campo, Lordosa e Ribafeita”. 

A carta, que pode AQUI ser consultada, traduz a discordância com a decisão que trará consequências negativas para as populações daquelas freguesias viseenses. 

Por fim, o autarca informa a administração da CGD que, no caso de ser mantida a decisão  de encerramento da agência, “ independentemente das boas relações pessoais e institucionais do Município com a Caixa Geral de Depósitos, terminaremos todo o relacionamento comercial da Câmara Municipal de Viseu com o banco, transferindo todas as operações para outras entidades bancárias, com quem procuraremos dinamizar uma oferta de proximidade”.